"Sou um afortunado por estar em Manaus", declara professor em entrevista

Acertando os últimos detalhes para lançamento do seu primeiro livro em Manaus, o professor Saturnino Valladares, natural da Espanha e graduado em Filologia Hispânica pela Universidade de Santiago de Compostela, chegou na Ufam em janeiro de 2013 para ministrar aulas como professor Leitor de Língua e Literatura Espanhola. “Na verdade, minha intenção era ir para o Rio de Janeiro, mas como fiquei em segundo lugar tinha como opção vir para Manaus, porém, esta foi uma decisão tranquila porque eu já conhecia a cidade e nunca tive dificuldade em me misturar com o modo de viver do manaura”, comenta.

Após um ano e totalmente acostumado a sua nova vida, Valladares estava convicto de que deveria permanecer na Universidade, assim decidiu concorrer a uma vaga para docente, pois seu contrato como professor leitor só poderia ser renovado por mais um ano. “Em outubro de 2014, o departamento de Língua e Literatura Espanhola publicou edital de concurso para professor, não havendo restrição quanto a participar pelo fato de ser estrangeiro, decidi me inscrever porque me sentia feliz em poder contribuir com a Ufam”, conversa.

Trabalhando como professor efetivo há mais de dois anos,  Saturnino concluiu (2015) pela Universidade de Santiago de Compostela  seu doutorado com a tese “Retrato de Grupo com Figura Ausente Edição e Análise da Correspondência entre José Ángel Valente e os Poetas Espanhóis da sua Idade”, premiada em concurso organizado pela cidade Ourense (Espanha) para publicação ainda em 2017.

Autor dos livros de poesia  “Las Almendras Amargas”,  “Cenizas”,  “Secretos Del Fénix” e “Los Días Azules”,  publicados em espanhol, o pesquisador  aguarda o lançamento pela Editora Valer do seu primeiro  livro de poesias  (Segredos da Fênix) em português.  “Eu comecei a trabalhar aos 15 anos de idade, mas sempre sonhei em ser poeta, então nunca abandonei os livros. Aos 25 retornei à universidade e o que parecia ser um sonho começou a se tornar realidade, hoje estou aqui e minha sensação é de que sou afortunado por estar em Manaus, lugar que amo e tenho grandes amigos, não fosse a enorme saudade de minha terra e família, eu diria que me sinto totalmente Manaura”, conclui.